Sexta-feira, 1 de Outubro de 2004

Análise - Final Fantasy VII

Image hosted by ImageHost.org


Para muitos uma grande série de RPGs (em todos os sentidos). Para outros, a melhor de todas. E para uma minoria, apenas “mais uma” série de jogos entre tantas outras. Certo é que ninguém fica indiferente quando um jogo da série Final Fantasy é lançado. Quer se goste, quer não, Final Fantasy irá ficar para a história dos videojogos como um dos jogos mais marcantes, e com mais sucesso de sempre. Nas próximas cinco críticas e (uma) antevisão, pretendo dar a conhecer o legado da série, na sua “era” mais recente, ou seja, os jogos para a PSOne e PS2. Começarei pelo sétimo capítulo da série, que, a par de Final Fantasy VI, é considerado o melhor jogo da série.


 


1997: um ano maravilhoso, que muitos não iriam esquecer com facilidade. Foi neste ano que saiu Final Fantasy VII. Pela primeira vez na história da série, um FF sairia na Europa, e ninguém sabia como se iria “comportar”. A qualidade do jogo era inquestionável, mas será que o público europeu iria receber de braços abertos um género de jogo pouco popular? Na verdade, o público europeu adorou FFVII, e isso reflectiu-se no futuro: se não fosse FFVII, muitos dos RPGs que têm em casa não estariam aí, porque a seguir ao sucesso do jogo, muitas editoras arriscaram lançar RPGs orientais por territórios do Velho Continente. É óbvio que muitos não se saíram tão bem, mas outros foram um sucesso. Para além deste “feito” na Europa, FFVII foi ainda um dos maiores impulsionadores de vendas da PSOne, que na altura escasseava de títulos de muita qualidade. FFVII teve, de facto, muito, muito, muito sucesso. Aliás, não é por acaso que, sete anos depois, FFVII seja ainda considerado por muitos como o melhor jogo de sempre. Antes de começar a review propriamente dita, há que realçar que o sucesso de FFVII, e as especulações com o enredo foram tantas, que, sete anos depois, estão a ser produzidas três continuações do jogo: uma prequela videojogável para os telemóveis, denominada Before Crisis: Final Fantasy VII, uma sequela sob a forma de filme CG, para DVD e PSP UMD, que obteve muitos aplausos por parte da crítica no Festival de Cinema de Cannes, pela sua qualidade gráfica, chamada Final Fantasy VII: Advent Children, e ainda um jogo de acção para a PS2, chamado FFVII: Dirge of Cerberus Agora que disse tudo o que tinha a dizer, passarei ao “julgamento final”.


 


 


Uma coisa fantástica neste jogo, e que foi responsável pelo seu sucesso em todo o mundo, ou deverei dizer, é ainda responsável pelo sucesso, é o magnífico enredo. Passados sete anos desde que FFVII saiu, milhares de teorias, análises intensivas e rumores continuam a surgir em redor do enredo, havendo análises muito bem feitas, e com muito senso, e outras totalmente disparatadas, e sem nexo. A personagem principal é um homem, Cloud Strife, um mercenário, que outrora pertencera à SOLDIER, o maior posto militar de uma empresa sem escrúpulos, denominada Shinra-Inc. A primeira vez que controlamos Cloud, é numa missão arriscada, que consiste em destruir um dos Reactors da Shinra, ajudando assim a missão de um grupo de ecologistas, a AVALANCHE, visto por todo o mundo como um grupo de bandidos. Mas porque razão temos de destruir os Reactors da Shinra? Estes, extraem do Planeta a energia que faz com que ele sobreviva: a Lifestream. Esta energia vital é composta pelas almas das pessoas mortas, e sem ela, o Planeta fica extremamente enfraquecido. A Shinra extrai esta energia para produzir a Mako Energy, que por sua vez vai dar origem à electricidade que vai abastecer as cidades do Planeta. Mas é preciso colocar um termo a esta extracção, porque o Planeta está a morrer... e não falta muito para isso acontecer. Para além de destruir os Reactors, temos, não muito mais tarde, de enfrentar um vilão... para muitos, o melhor vilão de sempre, Sephiroth. O que é mais interessante, é que este personagem, em tempos, fora o herói de Cloud, o motivo pelo qual este se alistara na SOLDIER... e agora o inimigo. Para além de Cloud, podemos contar com a ajuda de Barret Wallace, o “boss” da AVALANCHE, Aeris Gainsborough, uma florista especial, Tifa Lockhart, a dona do esconderijo da AVALANCHE, Red XIII, uma espécie de leão falante, Cait Sith, uma espécie de gato que controla um Mog, Cid Highwind, piloto de naves e ainda dois personagens extra, Yuffie Kisaragi, uma ninja que anda em busca de Materia, e Vincent Valentine, um personagem com um passado misterioso, à semelhança de Cloud...


 


Passando à parte técnica do jogo, começarei por tecer comentários em relação ao grafismo. Como FFVII foi realizado no ano de 1997, não esperem nada de transcendental, e preparem-se para um possível choque inicial. Os cenários, tal como muitos jogos da época, e para PC, utilizam um 2D renderizado, de maneira que os cenários são muito detalhados, e bem constituídos, embora, por vezes, se note que são muito estáticos e um pouco artificiais, mas mais uma vez repito, estávamos no ano de 1997, e a tecnologia da época não se compara em nada com a de agora. Os modelos das personagens estavam excelentes, em 3D, sendo que em todos os lugares, exceptuando os combates, as personagens “sofriam” uma diminuição de tamanho, ficando assim “mini-personagens”. Uma grande inovação do sétimo capítulo da série foi a introdução de Full-Motion Videos aka FMVs, animações geradas por computador, muito próximas da perfeição, sendo de destacar que muitas FMVs deste jogo ficaram para a história dos jogos, como cenas muito marcantes e belas, como a FMV do final do primeiro CD de jogo. Uma das características que me faz gostar muito do grafismo, é algo que falta aos jogos de hoje, e que parece que mais ninguém sabe como implementar... em FFVII, os cenários parece que emanam algo de especial, uma mística, que nos enfeitiça, e que quando damos por nós, já estamos a vaguear pelos cenários, apreciando a paisagem... Durante os combates, as personagens assumem as dimensões reais, bem como os inimigos. As Magias estão bem conseguidas, bem como os efeitos dos ataques e modelos dos inimigos, sendo de realçar as muito boas introduções dos Summons (criaturas mágicas que fazem ataques especiais). Em suma, o grafismo, embora hoje em dia não seja do melhor, muito pelo contrário, na altura era do melhor que havia, e fez-se o possível e o impossível para tornar a experiência de jogo o mais realista possível, e mesmo hoje em dia, depois de jogarem algum tempo este jogo, começarão a gostar dos gráficos devido aquele factor “X” muito especial...


 


Em termos de jogabilidade, há muita coisa para dizer. E poderei começar pelo último item referido na análise ao grafismo, os combates. Estes, utilizam um sistema de Active Time Battle, em que existe uma barra de tempo para cada personagem em combate (só podem estar três personagens em campo) que se vai enchendo, e que quando atinge o seu limite, nos permite executar uma de várias tarefas disponíveis: usar uma Magia, que vai consumir MP (Magic Points, o equivalente à Mana de muitos jogos); convocar um Summon, que, como eu já referi, são criaturas mágicas que usam ataques especiais,  usar um Item, para curar, proteger, usar magia, entre outros efeitos; Steal, para roubar os inimigos; e o óbvio Attack, para causar dano através dos ataques físicos. Ainda há mais uma opção especial no menu de combate: paralelamente à barra de tempo, existe uma barra de energia que se vai enchendo devagar: quando sofremos algum ataque, essa barra fica um nadinha mais cheia, mas se recebemos algum ataque mais poderoso, ela enche-se bastante. Quando a barra fica cheia, podemos usar um Limit Break, um ataque especial muito mais forte que é comum, ou uma habilidade especial, que nos permite curar ou subir um stat qualquer temporariamente, por exemplo. Cada personagem possui, geralmente (pois existem casos especiais), quatro níveis de Limit Break, cada um com dois ataques, que vão sendo desbloqueados, consoante a “missão” para desbloquear esses níveis. Embora os níveis avançados permitam ataques mais fortes, ou habilidades mais fortes, a barra de Limit Break enche-se mais devagar, por isso, os Limit Breaks de nível quatro demoram muito tempo a ser usados.  O sistema de desenvolvimento das personagens é o típico sistema de níveis, que vão do nível 1 ao 99, sendo que em cada nível um ou mais stats aumentam. Para usar as magias, é necessário obter umas pequenas esferas, as Materia, que são constituídas por Mako Energy no seu estado solidificado. As Materia, ao serem equipadas, trazem tantos benefícios, como coisas más poderão aumentar a magia, ou a força, por exemplo, mas baixar o HP (os Hit Points, ou melhor dizendo, a nossa “vida”). Os puzzles presentes no jogo são acessíveis, embora hajam alguns que puxem mais pelas celulazinhas cinzentas do que outros. O mapa-mundo, elemento chave na progressão do jogo, é muito grande, e para nos deslocarmos pelo mundo fora, dispomos dos seguintes transportes: um carro, que consegue atravessar certos tipos de rios, e que anda em quase todos os tipos de terreno; um avião, mas que funciona como barco, e que nos permite andar em zonas costeiras do Planeta; um Chocobo, uma espécie de avestruz, que corre muito rapidamente; um submarino, que nos permite navegar pelo imenso mar, e ainda por debaixo deste, havendo assim uma espécie de “mundo marítimo extra”; uma Airship, a Highwind, que é o meio mais rápido de transporte, pois anda pelo ar; e é óbvio, a pé... Os mini-jogos deste FFVII são mais que muitos. Quase todos eles aparecem durante o decorrer do jogo, como missões a completar, e quando completamo-las, ficam disponíveis para repetição num parque de diversões gigantesco: o Gold Saucer. Os mini-jogos vão desde um jogo de snowboard a um mini-RPG, em que temos de fazer com que um mog voe, passando ainda por uma perseguição de mota a alta velocidade. Os Chocobos proporcionam outro dos divertimentos do jogo. A partir de uma certa parte do jogo poderemos criar estas aves, e fazer praticamente tudo, desde alimentá-las, a acasalá-las, e até poderemos “evoluí-las”, para elas poderem atravessar obstáculos no mapa-mundo. O objectivo máximo é criar um Gold Chocobo, o Chocobo que pode ir a todos os lugares do mapa-mundo, algo que nem mesmo a Airship pode fazer!


 


A componente sonora, famosa na série Final Fantasy pela sua qualidade magnífica, ultrapassa esse patamar. Algumas músicas são simplesmente sublimes, como a One Winged Angel (Sephiroth’s Theme), ou a Aerith’s Theme, e ainda posso nomear a Crystal Theme, presente na maioria dos FF’s, mas sempre ligeiramente diferente, e a Main Theme Song, que é óptima na versão in-game, e que fica ainda melhor na versão tocada a piano. Se a Banda-Sonora composta por Nobuo Uematsu está maravilhosa, certo é que em relação aos sons incluídos no jogo também se podem fazer comentários positivos. Nas batalhas, o barulho da espada de Cloud a atingir um inimigo ou o som da “mão-bazuca” de Barret, por exemplo, estão bem conseguidos, bem como os restantes sons do resto do jogo.


 


Para terminar as minhas considerações sobre FFVII, só me falta escrever sobre a longevidade. Como é costume em Final Fantasy, poderão encontrar em FFVII um jogo longo, com 3CD’s, de aproximadamente trinta a quarenta horas recompensadoras de jogo, somadas com mais umas dezenas, obtidas através de side-quests igualmente recompensadoras, em que podem obter novos Summons, armas poderosas, ou Materias especiais, só para citar três pequenos exemplos.


 


Resumindo e concluindo, Final Fantasy VII é um jogo magnífico, que não falha em nenhuma das suas componentes, e que para muitos, é o melhor jogo de sempre.


 


Enredo: 10/10 - Perfeito! Uma história sublime, que toca cada pessoa que o joga...


Grafismo: 9/10 - O grafismo, estava excelente na altura em que foi realizado, e mesmo hoje em dia conseguimos gostar muito dele...


Jogabilidade: 9/10 - Excelente.


Sonoplastia: 10/10 - É um FF... isto chega para dizer tudo.


Longevidade- 10/10 - Pode durar muito, muito, muito tempo, basta querer...


Nota final- 9.5/10 - Um dos melhores jogos de sempre.


Análise a Final Fantasy VIII muito brevemente...


By rjmendesdias

publicado por hogwart às 00:43
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Anónimo a 8 de Outubro de 2004 às 21:34
Obrigada pela análise a este maravilhoso jogo. è pena é que muitos de nós já o jogámos, mas não conseguimos encontrar em lado nenhum para comprar (é o meu caso =/). RubyMoon
(http://rubymoon.blogs.sapo.pt)
(mailto:gothic_angel_66@hotmail.com)
De Anónimo a 2 de Outubro de 2004 às 18:24
Adoro todos os final fantasy e em especial o 7 e o 8. Adorei a tua critica sobre o ff7 e fico à espera das restantes. Fica bem.Lonely Girl
(http://lonelygirl.blogs.sapo.pt)
(mailto:liliana.corceiro@sapo.pt)
De Mr.sojreal a 24 de Outubro de 2006 às 15:40
Isso é verdade !?!
Já ando à procura do jogo à mto tempo e tbm n o encontro!!
Alguém sabe ond o posso encontrar??
(fico à espera de resposta)

Já agora vejam o filme FFVVII:Advent Children !! Tá um espectáculo!!
Mr.sojreal...=**
De vitor a 2 de Janeiro de 2008 às 18:26
eu sei um site onde tem o final fantasy 7 mas e platinum ke e www.amzon.co.uk basta irem la registarem-se e podem depois tirar o jogo mas e platinum.
De Miguel a 26 de Março de 2008 às 22:20
excelente review sobre um excelente jogo

Comentar post

Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

posts recentes

[360] Trailer de Naruto R...

[Multi] Notas Famitsu

[Multi] Notas Edge

[360] Vídeos ingame da Be...

[Multi] Top Software / Ha...

[Wii] Vídeos de Resident ...

[Multi] Mais detalhes par...

[Multi] Trailer de Fractu...

[PSP] PSP baixa de preço ...

[Multi] Vídeos de Colin M...

[Multi] Famitsu anuncia o...

[PSP] Trailer de Wipeout ...

[Wii] Pub Resident Evil 4...

[NDS] Vídeos ingame de FF...

[Multi] Top Software / Ha...

[PS3] Trailer de Tekken 6

[Multi] Top Software - Re...

[Multi] Vídeo ingame de U...

[Wii] Capcom com projecto...

[PSP] Trailer 300 March t...

[NDS] Novas imagens para ...

[PS3] Vídeo ingame de Vir...

[PSP] Final Fantasy faz 2...

[Multi] Trailer de Strang...

[Multi] Notas Edge

[PC] Vídeo de Thorins em ...

[Multi] Notas Famitsu

[PSP] Trailer de Chili Co...

[Multi] Notas Game Inform...

[PC] Intro de WOW: The Bu...

[Multi] Top Software / Ha...

[PC] Crysis@CES07

[PSP] Conteúdo exclusivo ...

[360] Lost Planet - Revie...

[PS3] Detalhes europeus p...

[PS3] Publicidade PlaySta...

[PS2] FF XII a 22 de Feve...

[NDS] Trailer de FFXII Re...

[360] Crackdown com invit...

[360] Irmãos Stamper aban...

[PSP] Tales of the World:...

[PSP] MGS: Portable Ops 2...

[Multi] Top Software - Re...

[360] Halo 3 - Acção Inga...

[NDS] 5 milhões para Drag...

[PS3] PUB Final Fantasy X...

[PSP] PSP com disco inter...

[PS3] GTHD Demo

[GP] Boas Festas

[Wii] Datel prepara versã...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

subscrever feeds